Pular para o conteúdo principal

Pássaros da Ilha de Paquetá.

Comecei a frequentar a Ilha de Paquetá
há quase meio século e há décadas tornei-me proprietário.

Antes eu era visitante efêmero, hoje sou seu permanente morador em todos os fins de semanas, em feriados prolongados, durante as férias de início de ano acompanhado de filhos e netos.


Antes eu olhava, hoje eu observo.
Em minha infância em Resende assisti meu pai cuidando
de suas mais de uma dezena de gaiolas ocupadas
por larga variedade de pássaros canoros.
Conheci arapongas, avinhados, coleiros, sanhaços, sabiás,
pintassilgos, canários belgas e da terra,
melros, tiés, saíras e bicos-de-lacre.
Livres, conheci os silvestres beija-flores ou colibris,
pardais, viuvinhas e rolinhas.
Estamos em março de 2011.

Cansei-me de ouvir severas críticas e tristes comentários
relativos ao desaparecimento desses vistosos pássaros em Paquetá.
"Esta Ilha não é mais a mesma. Desapareceram os colibris.”
“Não se vêem mais canários.”
“Sumiram os sabiás, sanhaços e melros.”
“Infestaram a Ilha com micos que devoram os ninhos de passarinhos.”
Felizmente disponho de uma varanda a guisa de ‘passadiço’
que me propicia belos panoramas com muito mar,
céu até o outro lado da baía e, à curta distância,
canteiros com arbustos floridos e uma fértil goiabeira
que agora em março está carregadíssima.
Chamou-me a atenção a quantidade de pássaros que a frequentam.
Imagem de um Sanhaço observador.
Sanhaço observador.

Em outra circunstância, uma rolinha ousada
fez um ninho na ramada de uma videira no quintal de casa.
Abrigo dos humanos contra o sol,
esconderijo para elas, as rolinhas.
Como são descuidadas e não caprichosas ou
Rolinha escondida em seu ninho na parreira.

Tão diferentes dos joões-de-barro que da goiabeira vigiavam
com seu canto estridente a construção de seu ninho
a dezenas de metros em uma casuarina na Praça dos Atobás.
Os pardais, os bem-te-vis e as
viuvinhas esvoaçando em suas embicadas
na piscina não merecem outros comentários
além da prova de suas abundantes
existências em Paquetá.
Basta olhar com a vontade de vê-los.
Sim, tenho certeza. A despeito da ação
predatória e deletéria dos humanos,
os passarinhos continuam a existir e a habitar a Ilha de Paquetá.
Que isso não sirva de aviso ou alerta aos caçadores que
os exibem com orgulho e interesse comercial em suas gaiolas!
Imagem de um sanhaço devorando uma goiba
Sanhaço devorando a goiaba.

E então, senti-me em condições de contradizer aqueles críticos de Paquetá.
Matar a cobra e mostrar o pau.
Quantos e quantos sanhaços e sabiás eu assisti pulando de galho em galho
buscando melhores condições de bicar as goiabas até que elas mostrassem
seu âmago róseo forte e caíssem como em bombardeio às formigas.

Em observando a goiabeira, em uma dispersão do olhar,
percebi um passarinho amarelo. Era um canário da terra dirigindo-se a um
poste de concreto justo à proa do ‘encouraçado’ encalhado.
Não acreditei no que via a olho nu e recorri ao meu binóculo,
antes de marinheiro, hoje de ‘voyeur’ da natureza.

Um casal de canários da terra descobrira
e encontrara um meio de residir justo em um orifício natural do poste.
Eram também eles moradores da Ilha!
Não demorou para que um beija-flor ou chupar-flor como preferem outros,
desse mostras de sua existência e habilidades de seu vôo particular
vindo a pousar em um fio próximo. Consta que seja o único
pássaro incapaz de pousar no chão.
Imagem de uma viuvinha, banhando-se ao sol, no gramado de uma piscina
Viuvinha banhando-se
ao sol no gramado da piscina.


Imagem de um estranho ninho do canário da terra
Estranho ninho do
canário da terra.



Imagem de um Colibri ou beija-flor no fio
Colibri ou beija-flor no fio.

Autor do texto: Ney Dantas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Horários das Barcas para Paquetá.

Horários das barcas para a Ilha de Paquetá.
Barcas e catamarãs que saem da
estação das barcas na Praça XV,
no centro da cidade do Rio de Janeiro,
em direção a estação das barcas da
Ilha de Paquetá e o preço das passagens. Barca em direção a Praça XV Horários das barcas e catamarãs:
Rio-Paquetá, Paquetá-Rio,
e o preço das passagens. *Horários de carga.
RIO x PAQUETÁ - Segunda a sexta. Saída:
04:00 - 06:20* - 09:00 - 13:30*
16:00* - 18:30 - 20:50 - 23:10
PAQUETÁ x RIO - Segunda a sexta. Saída:
05:10* - 07:40 - 10:50*
14:30* - 17:20 - 19:40 - 22:00


RIO x PAQUETÁ - Sáb,dom e feriados. Saída:
04:00 - 07:00 - 10:00 - 13:00 - 17:00 - 22:00

PAQUETÁ x RIO - Sáb, dom e feriados. Saída:
05:30 - 08:30 - 11:30 - 14:30 - 18:30 - 23:30

O preço das passagens das barcas e catamarãs
que fazem o trajeto Rio-Paquetá, Paquetá-Rio são:
De segunda a sexta.
Rio x Paquetá.......Tarifa: R$ 6,50 (unitário)
Paquetá x Rio.......Tarifa: R$ 6,50 (unitário)

Sábados, Domingos e Feriados
Rio x Paquetá.......Tarifa: R$ 6…

Ilha de Paquetá, Rio de Janeiro.

Ilha de Paquetá.
A "Pérola da Guanabara", a "Ilha dos amores",
pertinho do centro da Cidade do Rio de Janeiro.
Saiba mais.... Imagem: Praia dos Frades Como chegar: O acesso à Ilha de Paquetá é feito através de transporte marítimo.
Os passageiros são transportados por barcas e catamarãs
que atravessam a Baía de Guanabara.

Opções de transporte, passeios e diversão:Carros elétricos: Ponto Final entre frente a estação das barcas,
bem em frente a Igreja Bom Jesus do Monte.

Bicicletas Táxis (Ecotaxis): Pontos na Rua Furquim Werneck. Desde a esquina
com a Rua Pinheiro Freire até a estação das barcas

Bicicletas (aluguel): Pontos de aluguel nas Lojas da Rua Furquim Werneck.

Pedalinhos e Caiaques: Pontos de aluguel ao longo da Praia José Bonifácio
(antiga Praia da Guarda),
diversos modelos e preços.



A "Maria Gorda" da Ilha de Paquetá.

BAOBÁ.
O Baobá é uma árvore que vive de três a seis mil anos,
originária da África, onde é considerada sagrada.
É a árvore nacional de Madagascar
e o emblema nacional do Senegal.Representa preservação e é objeto de cultos religiosos.
É citada pelo escritor francês Antoine de Saint Exupéry
em seu mais famoso romance ‘O Pequeno Príncipe’.
Bernard de Jussieu, médico e botânico francês (1699-1777),
deu-lhe o nome Adansonia em homenagem a Michel Adanson (1727-1806),
botânico e explorador conterrâneo,
que primeiro a descreveu quando encontrada no Senegal.

É uma árvore curiosa que chega a alcançar até 25 metros de altura
com um tronco cujo diâmetro pode chegar a mais de 7 metros,
com a capacidade de armazenar
até 120.000 litros de água dentro de seu tronco.

No Brasil, são poucos os exemplares de baobá,
todos trazidos pelos sacerdotes africanos e plantados
em locais específicos para o culto das religiões
de seu continente de origem.

Segundo o Wikipédia, existem no estado do Rio…